Cervejas


A história da cerveja no Brasil e no Officina Cervejaria

02 de Maio de 2018 por OfficinaCervejaria

1637 | Holandeses e Portugueses

A história da cerveja no Brasil só se tornou paixão nacional depois de muito tempo da primeira cervejaria implantada pelos holandeses, em 1654, na época da colonização.

Maurício de Nassau

A serviço da Companhia das Índias Ocidentais, a expedição holandesa, comandada por Maurício de Nassau, chegou ao Brasil com cientistas, engenheiros, artistas e trouxe o cervejeiro Dirck Dicx.

Nessa época temos notícia da primeira cervejaria em Recife, na segunda residência de Nassau “La Fontaine”.

Mas quando os holandeses foram expulsos do Brasil, levaram todas as receitas e equipamentos.

Por 150 anos, a bebida consumida no Brasil era basicamente vinho, licores importados da França e cachaça, como a mais popular.

1808 | Ingleses & Alemães

Somente em 1808, as cervejas inglesas começaram a ser importadas para o Brasil. Foi na época da fuga da Família Real portuguesa para o nosso país.

Dizem que o Rei amava cerveja.

Em 1830, imigrantes ingleses e alemães começaram a fabricação de cervejas, somente para consumo próprio, com ingredientes como: arroz, milho e trigo.


Cronologia dos fabricantes de cervejas no Brasil

1836 Cervejaria Brasileira no Rio de Janeiro
1840 Henrique Schoenbourg em São Paulo
1846 Georg Henrich Ritter em Nova Petrópolis – Rio Grande do Sul
1848 Henrique Leiden no Rio de Janeiro
1848 Vogelin & Bager no Rio de Janeiro
1849 João Bayer no Rio de Janeiro
1852 Gabriel Schmalz em Joinville – Santa Catarina
1853 Carlos Rey em Petrópolis – Rio de Janeiro


Cervejas especiais do Officina

Pensando em agradar os paladares de clientes especiais, e celebrar os 22 anos, o Officina Cervejaria, em parceria com a Cerveja Seresta, lança os estilos WEISS & IPA da casa.
Você poderá encontrar outras marcas, já que a quantidade de cervejas especiais variam muito. Aqui no Officina são mais de 30 rótulos de cervejas especiais.
Estes dois estilos, WEISS e IPA são cervejas artesanais mais comercializadas no mundo.

Diferença entre Weiss & IPA

A Weiss é uma das primeiras cervejas especiais que vem na cabeça do consumidor inicial.
99% gostam de experimentá-la devido à cor, ao sabor e ao baixo amargor, que é mais fácil de beber, já que não agride tanto o paladar.
Por ser uma cerveja de trigo, e ser bastante nutritiva, é uma cerveja com baixa drincabilidade. Seu consumo é menor.
Já a IPA é uma cerveja mais sedutora, bastante aromática, com sabor mais pronunciado e amargor mais presente que as demais. Ela vai te seduzindo aos poucos.
Agride mais o paladar por ser uma cerveja amarga, devido à quantidade de lúpulo.
Nem sempre é a primeira a ser experimentada mas é a mais consumida. Com o passar do tempo acaba se tornando a queridinha dos apreciadores.
Tem uma ótima drincabilidade por ser uma cerveja aromática, uma cor mais escura e convidativa.
Um estilo que dá vontade de experimentar mais rótulos e opções.
“Os tipos de cervejas sempre divergem opiniões. A Weiss, conquistou o paladar da galera com seu sabor por ser uma cerveja diferente das tradicionais, devido ao trigo, com coloração e um corpo mais cremoso, se tornando uma cerveja bem nutritiva. Já a IPA, muito lupulada e extremamente aromática. Sua quantidade de lúpulo ganhou seguidores.” Conta Thiago D. Franco, consultor da casa e especialista em cervejas especiais.
Nosso paladar se acostuma com este amargor, dando uma drincabilidade maior.
Duas, três e até 5 garrafas é natural para uma IPA. Já a WEISS, por ser mais nutritiva, não tem esta drincabilidade, 1 ou 2 garrafas no máximo.
O amargor da cerveja é medido pela sigla IBU, que caracteriza o índice de amargor da cerveja. Quanto maior o IBU, maior o amargor.
Vale lembrar que, cervejas com IBU alto, com sensação de boca que não ressaltam tanto o amargor, é característica de uma cerveja muito bem feita, com alta drincabilidade. São cervejas equilibradas e bem feitas.

Harmonização das cervejas especiais

Diferentemente das cervejas tradicionais, as cervejas especiais foram feitas para harmonizar com os pratos. Podendo comer e beber ao mesmo tempo.
As cervejas de trigo, como a WEISS, por exemplo, harmonizam com comidas mais leves, carnes brancas, ceviche e saladas. Já a IPA harmoniza com quase todos os pratos, em especial, carnes, comidas mexicanas e condimentadas.

Temperatura da cerveja especial

A questão da temperatura é muito importante, diferentemente das cervejas tradicionais que foram feitas para beber estupidamente geladas.
As especiais não devem serem servidas à zero grau e nem negativas, pois impossibilitam sentir o sabor e aroma que a cerveja tem a lhe proporcionar.
A partir desta baixa temperatura, zero grau, anestesia suas papilas, impossibilitando a experiência maravilhosa de apreciar uma boa cerveja.

“Consumidor, leia os rótulas das garrafas.”

 

 

Deixe seu Comentário!



Outros Artigos